A filha da minha madrasta

Acordei de uma soneca da tarde e como de praxe, desci até a cozinha. Percebi que a casa estava vazia. Subi até o quarto de novo, só que dessa vez a procura de alguém. Entrei no quarto da minha madrasta e não tinha ninguém. Fui até o quarto da minha “irmã” e até que a encontrei, largando na cama, só de calcinha. Eu a observei por alguns segundos, já sentindo minha calcinha toda molhadinha. Ela era gostosa, tinha um belo par de peitos, durinhos e médios, uma bunda deliciosa, e a cinturinha fina, dando curvas maravilhosas ao corpo dela.

– Onde tá todo mundo, Gabi? – perguntei a ela
– Saíram, acho que foram resolver algum problema na casa da vovó… – deu de ombros, e ali eu vi que era a hora. Me aproximei dela, me sentando na ponta da cama perto da sua bunda, e sem ela nem se tocar, passei meus dedos pela sua buceta – Que isso? Tá louca Lu? – eu tirei minha camiseta, deixando meus peitos a mostra e ela ainda me encarava incrédula
– Vc vai gostar – me aproximei dela pegando nos seus peitos e dando uma leve lambidinha nos seus mamilos, ela gemeu e essa foi a confirmação.. Meus dedos deslizaram de novo para a sua buceta e ela suspirou enquanto eu massageava seu grelo e lambia seu mamilo esquerdo. Abri suas pernas, coloquei sua calcinha de lado e comecei a chupar, ela gemia alto e pedia cada vez mais, entre as chupadas comecei a enfiar dois dedos nela, que gemia cada vez mais, até que senti seu gozo na minha boca. Joguei ela na cama, e subi por cima dela, colocando minha buceta na sua cara – Gabi, passa a língua na minha bucetinha, passa – supliquei e ela começou, passando devargazinho, e eu iniciei os movimentos pra trás e pra frente fazendo com que a sua língua deslizasse mais rápido pelo meu grelo, senti que iria gozar, mas não avisei, ela me chupava e eu gemia enlouquecidamente! Até que gozei e fiz ela tomar todo o meu gozo. Abri bem as pernas dela, e comecei a esfregar meu grelo no dela, com vontade e sem parar, ela gritava e eu continuava a esfregar..
– Vou gozar – ela disse
– Goza pra mim então – continuei esfregando, só que mais rápido pra poder sentir seu líquido quente em mim, o que não demorou muito… E foi só ela gozar, que eu gozei também. Escutei nossos pais entrarem na casa, recolhi minhas roupas rapidamente e corri para o meu quarto…